Deputadas baianas criticam ‘proibição de anticoncepcional’; Dayane Pimentel diverge


Deputadas baianas criticam ‘proibição de anticoncepcional’; Dayane Pimentel diverge
Foto: Montagem / Reprodução / Bahia Notícias


No dia em que o deputado federal Márcio Labre (PSL-RJ) sugeriu o Projeto de Lei 261/2019, cujo texto sugere a proibição do uso de métodos contraceptivos, as únicas três mulheres da Bahia na Câmara dos Deputados avaliaram e se manifestaram a respeito do projeto. As opiniões se dividem e colocam o texto como ferramenta de “diminuição do protagonismo da mulher”, indicação de “despreparo” e “agressão”, mas também como uma “causa legítima”.

No texto, que já foi alvo de requerimento de retirada de tramitação pelo autor (leia aqui), o deputado lista como "micro abortivos" o DIU (dispositivo intrauterino), a pílula de progestógeno, o implante subcutâneo, a pílula do dia seguinte, a pílula RU-486 e "qualquer outro dispositivo, substância ou procedimento que provoque a morte do ser humano já concebido, ao longo de toda sua gestação, sobretudo antes da implantação no endométrio" (veja aqui).

O primeiro erro, na avaliação da deputada federal Lídice da Mata (PSB), é o texto, que conforme Labre "visa proteger a saúde da mulher", ter partido de um homem. "Não é a toa que é promovida por um homem. Há essa tentativa de se diminuir o protagonismo da mulher nos assuntos que dizem respeito a sua saúde, e ao feminismo", criticou Lídice que ainda caracterizou o projeto como "bizarrice", "conservador" e "eleitoral".

"[O projeto] vai na contramão das conquistas realizadas na política de reprodução humana no Brasil, de políticas que vem para preservar a mulher", argumentou a presidente do PSB na Bahia que assegurou que se posicionará contrária ao texto na Câmara. "Sou contra o projeto. Direito de apresentar o que quiser cada um tem, mas nós temos direito de votar contra ao que não concordamos", completou. 

Correligionária de Labre, a deputada federal Dayane Pimentel é favorável ao projeto e o considera legítimo: "Todas as medidas que promovem a defesa da vida terão o apoio do PSL e a admiração do meu mandato, tem o meu apoio".

A parlamentar Alice Portugal (PCdoB) se disse duplamente ofendida com o PL. Além de deputada federal, ela tem formação em Farmácia e Bioquímica. "Como mulher eu me sinto agredida e como farmacêutica vilipendiada", disparou a comunista ao chamar o texto de retrógrado e dizer que ele leva o país para "um século atrás". 

No entendimento de Alice, entre os reflexos de uma suposta aprovação deste Projeto de Lei, estará o surgimento de tráfico destes produtos. "O texto busca criminalizar o uso desses medicamentos, o que levaria ao tráfico, ele [Márcio Labre] propõe que esses medicamentos, que são de uso popular, passem a ser vendidos no mercado ilegal", explicou em defesa dos medicamentos que ela classificou como "política de saúde pública".  por Jade Coelho

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de inteira responsabilidade do internauta.