Maiquinique: Ex-prefeita participou de esquema de desvios, apontam PF e CGU


Maiquinique: Ex-prefeita participou de esquema de desvios, apontam PF e CGU
Foto: Reprodução / Políticos do Sul da Bahia

A Operação Ciranda de Pedra, deflagrada nesta terça-feira (24) pela Polícia Federal e Controladoria Geral da União (CGU) (ver aqui) detectou o envolvimento da ex-prefeita Maria Aparecida Lacerda Campos, conhecida como “Minininha”. Conforme as investigações, foram constatadas obras inacabadas na pavimentação de ruas de Maiquinique decorrente de seis contratos no quadriênio 2013-2016 entre o Município e o Ministério das Cidades. Conforme a apuração, o modus operandi consistia na seguinte forma. A prefeitura rescindia o contrato por inexecução do objeto e realizava nova licitação para contratação de outra empresa do esquema, com vistas à execução dos mesmos serviços. Algumas das empresas serviam apenas de “fachada” e eram compostas por sócios “laranjas”. Entre 2012 e 2017, as empresas receberam pagamentos no valor total de R$ 3.428.183,03. Até o momento, o prejuízo calculado ao erário é de R$ 1.587.619,76. No entanto, o valor pode ser maior conforme o andamento da apuração. O título 'Ciranda de Pedra' para a operação se refere a uma obra da escritora brasileira Lygia Fagundes Teles. A’ “ciranda” da escritora “é formada por pedras, simbolicamente representando a sua dureza, a desintegração, o fechamento entre seus participantes e a não aceitação de novos membros”. A ex-prefeita e os outros envolvidos vão responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, desvio de recursos públicos e fraude à licitação.