STF afasta Aécio do Senado e impõe recolhimento noturno

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu nesta terça-feira (26), por três votos a dois, o mandato de senador do presidente do PSDB, Aécio Neves, e ordenou o recolhimento noturno do parlamentar.   

Resultado de imagem para STF nega prisão, mas afasta Aécio do Senado e obriga recolhimento noturno... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2017/09/26/marco-aurelio-vota-contra-recurso-de-janot-por-prisao-de-aecio-4-ministros-ainda-vao-votar.htm?cmpid=copiaecolaAlém disso, o tucano terá de entregar seu passaporte e não poderá manter contato com outros investigados na Lava Jato, incluindo sua irmã, Andrea Neves. No entendimento dos ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux, Aécio usou seu mandato para atrapalhar as investigações da operação, o que justificaria as medidas cautelares.   

Já Marco Aurélio Mello e Alexandre de Moraes votaram por manter o presidente do PSDB no exercício do cargo de senador e contra a necessidade de recolhimento noturno e de entrega do passaporte.   

Aécio já havia sido afastado do Senado em 18 de maio, por Edson Fachin, mas, no dia 30 de junho, retomou suas funções graças a uma decisão de Marco Aurélio.   

O líder tucano também era alvo de um pedido de prisão da Procuradoria-Geral da República (PGR), porém a medida foi rejeitada nesta terça pela Primeira Turma do STF, que defende a detenção de parlamentares apenas em caso de flagrante de crime inafiançável.   

Aécio é acusado de ter recebido, de maneira ilegal, R$ 2 milhões de Joesley Batista, dono da JBS, em uma negociação que foi gravada pelo empresário no âmbito de sua delação premiada. Parte desse valor foi entregue a um primo do tucano, Frederico Pacheco de Medeiros, que a repassou a Mendherson Souza Lima, ex-assessor do senador Zezé Perrella.   

O caso motivou uma denúncia contra Aécio por corrupção e obstrução de Justiça, já que ele também teria tentado interferir na Lava Jato, ao agir para "selecionar delegados de polícia que supostamente poderiam aderir ao impedimento ou ao embaraço à persecução de crimes contra altas autoridades políticas do país", segundo a PGR. (ANSA).

UOL notícias