No Sul Baiano "Muda PT" Debate reestruturação do partido e lança chapas municipais
A imagem pode conter: 11 pessoas, pessoas sorrindo, sapatos e área interna
Fotos: Vinícius Brito
Texto: Débora Silveira

Neste sábado (18), o deputado federal Waldenor Pereira, candidato a presidente estadual do Partido dos Trabalhadores pelo campo #MudaPT, esteve em três cidades do sul da Bahia, Camacan, Jussari e Ilhéus, debatendo com os militantes e membros de diretórios municipais da região ( Arataca, São José, Buerarema, Santa Luzia, Mascote, Pau Brasil, Itajuípe e Itabuna), as propostas para reestruturação e reorganização do PT.
“Precisamos sacudir a poeira e dar a volta por cima”, disse Waldenor reconhecendo os erros cometidos pelo partido e os desafios que serão enfrentados a partir de agora. “Se nós tivermos a capacidade de fazer autocrítica, a gente pode ressurgir com muita força. Eu sei que é um grande desafio. Mas o partido pode se reestruturar”, afirmou.
“Nós temos base social, nós temos militância, nós temos legado. Não há um cidadão e uma cidadã nesse país que não reconheça que o nosso projeto político melhorou a vida do povo brasileiro. É por isso que o Lula, apesar desse bombardeio, desse massacre, dessa campanha avassaladora contra ele, contra nosso partido continua se destacando como o candidato preferido da população brasileira,” enfatizou.
Durante a agenda deste sábado - que contou com a presença do maior líder do partido na região, Geraldo Simões, e coordenada pela companheira Nina Rosa - também foram oficializadas as candidaturas municipais do “Muda PT” nas cidades de Camacan e de Jussari, que têm à frente Sayonara Nory e Vinícius Monteiro, respectivamente.
Waldenor lembrou aos companheiros a missão prioritária que terão pela frente de reeleger Rui Governador e eleger Lula presidente de novo.
“Defendemos essa sigla Muda PT na perspectiva de readequação do programa partidário, de reestruturação do PT, de reorganização, mas também defendemos a unidade. Nós precisamos agregar toda a companheirada nesse grande desafio. Vamos fazer o possível para não olhar no retrovisor e trabalhar na perspectiva de futuro, chamando a atenção para os desafios que nos impõe a conjuntura, para podermos fazer a defesa política do nosso projeto, que é um projeto de inclusão, de distribuição de renda, de melhoria da qualidade de vida do povo pobre e de defesa dos direitos humanos, nesse enfrentamento com essa onda reacionária ,conservadora e golpista", concluiu.