Reforma da Previdência: Waldenor critica Temer e diz que está ao lado dos trabalhadores
Por Débora Silveira


Nesta semana, em Brasília, a Comissão Especial da Reforma Trabalhista, que discute o Projeto de Lei nº 6787/2016, realizou primeira audiência pública no Congresso Nacional para ouvir o Governo, Ministério Público e Justiça do Trabalho sobre as propostas de mudanças na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).
Membro titular desta comissão, o deputado federal Waldenor Pereira (PT-BA) criticou duramente as reformas propostas pelo, segundo ele, “governo ilegítimo de Michel Temer”, tanto para o trabalho quando para a Previdência Social.

O parlamentar afirmou, em entrevista ao programa Conquista de Todos, na tarde da última quinta-feira (16), que as iniciativas governistas “ferem frontalmente direitos sociais e trabalhistas do povo brasileiro. São duas iniciativas maldosas”.

Pereira declarou-se preocupado com tal proposta, “assim como a população brasileira de uma forma geral, especialmente os trabalhadores”.

Ele explica que a população tem muito a perder caso as duas reformas sejam aprovadas e que a forma como o governo está conduzindo o processo “à toque de caixa”, tem prejudicado o debate democrático com a população, que corre o risco de perder direitos importantes, como o da aposentadoria integral.

“Trata-se de uma reforma que exige que o trabalhador contribua 49 anos para que possa receber a sua aposentadoria integral, portanto, podemos até afirmar que acaba com a aposentadoria. O trabalhador que contribui 49 anos, somados mais 22 anos – que é quando ele inicia a sua atividade laboral – ele, naturalmente, não irá gozar da sua aposentadoria, pois já está próximo ao limite máximo da expectativa de vida do povo brasileiro”, detalha Waldenor.

O deputado conquistense comentou também sobre outros assuntos importantes para o desenvolvimento da cidade e da região, como a tentativa de desmonte de instituições como a Superintendência do Banco do Brasil e o Banco do Nordeste. Mas afirmou que tem trabalhado no combate a esse comportamento negativo do governo do PMDB e garantiu a permanência da Superintendência da Caixa Econômica Federal na cidade.