Após morte de policial, Belém registra 30 assassinatos em um dia
Resultado de imagem para BELEM do Pará

A secretaria de Segurança Pública do Pará registrou 30 pessoas assassinadas na região metropolitana de Belém entre a manhã de sexta-feira (20) e manhã deste sábado (21).

As mortes aconteceram horas depois que o policial militar Rafael da Silva Costa foi assassinado durante uma perseguição a suspeitos de um assalto no bairro da Cabanagem, periferia de Belém.

Atingido por um tiro na cabeça, o policial chegou a ser levado para o Hospital Metropolitano, em Ananindeua, mas não resistiu aos ferimentos.

O secretário de segurança adjunto do Pará, Coronel Hilton Benigno, confirmou à Folha que dos 30 assassinatos, 25 tinha características de execução. E confirma que os crimes podem ter ligação com a morte do policial.

"A gente leva em consideração a possibilidade de que os crimes sejam uma reação à morte do policial. Mas ainda não podemos afirmar isso com clareza", afirma o secretário.

O número de mortes foi quase dez vezes superior à média diária de homicídios em Belém, que é de três casos.

O perfil dos crimes também fugiu do padrão usual: a maioria aconteceu durante a tarde de sexta e em 16 bairros diferentes de Belém, além das cidades de Ananindeua e Marituba.

Normalmente, os homicídios acontecem à noite e concentram-se nos bairros mais violentos.

Na manhã deste sábado, o governador Simão Jatene (PSDB) fez uma reunião de emergência com a cúpula segurança pública e determinou "apuração rigorosa" dos crimes pelas corregedorias das polícias civil e militar.

Em nota, o governo informou que "não tolera" a ocorrência dos homicídios em número acima da média usual.

O governador ainda telefonou para o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e pediu apoio do governo federal nas investigações.

"A ideia é ter um apoio na área de inteligência. O governador quer uma apuração firme e imparcial", diz o Coronel Hilton Benigno.

A Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social do Pará criou um "gabinete permanente de situação", envolvendo todos os órgãos da área de segurança, para acompanhar e monitorar os acontecimentos.

Os corpos das vítimas foram levados para o Instituto Médico Legal e estão sendo reconhecidos por familiares. A Polícia Civil instaurou inquéritos para apurar as mortes.

A secretaria de Segurança informou que parte das vítimas teria passagem pela polícia, mas não precisou um número.

Uma das vítimas identificadas foi o taxista Flávio Oliveira Maciel, 23, morto na porta de casa no bairro do Guamá.

CASOS SEMELHANTES

Uma série de assassinatos após a morte de um policial militar também ocorreu em Londrina (PR), em janeiro do ano passado. Na ocasião, dez pessoas foram assassinadas e 15 ficaram feridas.

Testemunhas disseram que mais de 30 tiros haviam sido disparados por homens vestidos de preto, com coletes, que haviam chegado e depois fugiram em carros.

No mesmo mês, outros cinco policias haviam sido mortos e dois feridos em uma série de ataques, segundo a Sesp (Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária) do Estado.

Em 2015, na Bahia, nove policiais militares foram acusados pela morte de 12 homens. Segundo o Ministério Público do Estado, eles teriam agido por vingança.