Comitê de defensores de direitos humanos pede intervenção da ONU em Rondônia

 Comitê de defensores de direitos humanos pede intervenção da ONU em Rondônia
Rondônia lidera mortes referentes a conflitos de terra |Foto:Reprodução/WhatsApp

O Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos encaminhou pedido de ação urgente à Organização das Nações Unidas (ONU) para que intervenha contra os assassinatos de defensores de direitos humanos em Rondônia. De acordo com a entidade, pelo menos 17 defensores foram mortos no estado de janeiro a outubro deste ano, o que representa 30% das mortes de ativistas de direitos humanos do país. Integrante do comitê, a pesquisadora da ONG Justiça Global Alice de Marchi afirma que 55 pessoas já morreram este ano no Brasil por causa da luta pelos direitos humanos. “E esse é o número que chega ao comitê, pode ser muito mais. E a velocidade nas retaliações em Rondônia está preocupando várias organizações. É muita morte em um estado só”, destaca. De acordo com a pesquisadora, há um contexto especial em Rondônia no que diz respeito à questão agrária, porque a maior parte das terras é território da União, o que traz entraves e burocracia à resolução dos conflitos de terra. “Tem uma certa dinâmica em que um fica empurrando pro outro a responsabilidade, Incra [Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária] e governo do estado, e os conflitos continuam acontecendo, e estamos em estado alarmante”, disse.