Cardoso: Queda de Cunha fortalece defesa de Dilma
:

Advogado da presidente eleita Dilma Rousseff no processo de impeachment, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo disse que a renúncia de Eduardo Cunha (PMDB) à Presidência da Câmara dos Deputados fortalece os argumentos da defesa; "Fortalece as provas a favor da presidente Dilma sem sombra de dúvidas. Eu posso afirmar que, considerando as provas que existem contra ele, a fala dele mostra o papel que ele teve no processo de impeachment que afastou um governo que se negou a ceder ao que ele pedia", afirmou Cardozo; em seu discurso de renúncia, Cunha disse que a abertura do processo de impeachment "foi o marco da minha gestão, que muito me orgulha e que jamais será esquecido"

Brasil 247 - O advogado de defesa da presidente eleita Dilma Rousseff, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, disse que a renúncia de Eduardo Cunha à Presidência da Câmara dos Deputados fortalece os argumentos da defesa no processo de impeachment que tramita no Senado.

"A fala dele sobre sua participação no processo de impeachment é emblemática em relação ao que está acontecendo. Vamos juntar essa fala ao processo. A renúncia e seu discurso fortalecem a defesa da presidente Dilma", assegurou Cardozo.

Cunha, que renunciou ao cargo nesta quinta-feira (7), disse, durante seu discurso de saída da Presidência que a abertura do processo de impeachment foi uma de suas principais conquistas à frente do comando da Casa. "Sem dúvida alguma, a autorização para abertura do processo de impeachment de um governo que, além de ter praticado crime de responsabilidade, era inoperante e envolvido com práticas irregulares, foi o marco da minha gestão, que muito me orgulha e que jamais será esquecido", disse Cunha em seu discurso de renúncia.

Para Cardozo, a declaração de Cunha "fortalece as provas a favor da presidente Dilma sem sombra de dúvidas. Eu posso afirmar que, considerando as provas que existem contra ele a fala dele mostra o papel que ele teve no processo de impeachment que afastou um governo que se negou a ceder ao que ele pedia".