Mensalão de Russomano pode mudar eleição em SP


Líder na corrida eleitoral em São Paulo, o deputado Celso Russomanno (PRB-SP) foi delatado pelo ex-deputado Pedro Corrêa como um dos beneficiários do chamado "mensalão"; segundo Corrêa, Russomanno recebia pagamentos regulares do ex-deputado José Janene, do PP, que seria um dos principais operadores do esquema; questionado, Russomanno negou as acusações e disse que seus sigilos bancário e fiscal estão à disposição; na mais recente pesquisa Datafolha, ele apareceu com 34% das intenções de voto, seguido por Marta Suplicy e Fernando Haddad


SP 247 – O candidato que lidera as pesquisas para a sucessão municipal em São Paulo, com 34% das intenções de voto, foi abatido por uma delação premiada.

Trata-se de Celso Russomanno (PRB-SP), citado como beneficiário do chamado "mensalão". Segundo o ex-deputado Pedro Corrêa, do PP, que se tornou delator, Russomanno receberia pagamentos regulares de José Janene, já falecido e principal operador do PP – foi Janene, por exemplo, quem indicou Paulo Roberto Costa para a Petrobras.

Segundo o delator, Russomanno "era um dos que o partido [PP] dividia as propinas, recebendo os recursos de José Janene [PP-PR]".

Questionado, Russomanno refutou as acusações. Disse que seus sigilos fiscal, bancário e telefônico estão à disposição. Sustentou que foi adversário de Janene no PP e que, por isso, "não faz sentido supor que tenha recebido recursos de Janene".

Na disputa paulista, Russomanno lidera, sendo seguido pela senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) e pelo prefeito Fernando Haddad, do PT, que disputam a segunda posição. Em seguida, aparecem Andrea Matarazzo, do PSD, e João Doria, do PSDB.